Usina de Asfalto: O que é? Como funciona?

Saiba o que é e como funciona uma usina de asfalto…

Antes de tratarmos da usina de asfalto por si, precisamos elucidar do que se trata o asfalto por ele mesmo, aos leitores que não o saibam, por ventura. Primeiro de tudo, vamos nos ater ao fato de que ele é um composto derivado do petróleo comumente usado nas pavimentações das rodovias no geral.

Se nos centrarmos nisso, tem-se então, por consequência, que uma usina voltada a esse composto, se pensarmos no processo todo, da fabricação à pavimentação, como um organismo vivo (com seus órgãos interdependentes), exerce certamente o papel central, ou seja, é o “coração das obras de pavimentação”, por assim dizer.

 

Usina de Asfalto: O que é? Como funciona?

Usina de asfalto: O que é? Como funciona?

Sejamos mais técnicos, pois é também sabido que uma usina, para assim ser chamada, não pode ser outra coisa que não uma unidade fabril.

Todavia, cada tipo de usina terá suas diferenças, suas singularidades, não sendo diferente para o caso das usinas de asfalto, cuja a particularidade é a de que o funcionamento dela consiste num processo de mensuração daqueles que são os materiais do chamado “cimento asfáltico”.

   
 

Além disso, numa usina do gênero, são também feitos o processos de secagem e aquecimento dos agregados, sem contar o filtramento dos gases oriundos do sistema de secagem ou a mistura dos materiais, também ambos cruciais dentro do “organismo” já citado.

Finalização

Por fim, caberá aos funcionários dessa usina de asfalto, efetuar o transporte do resultado final, seja para armazená-los num silo ou colocá-los num caminhão próprio, que terminará o processo, por sua vez, pavimentando tanto vias públicas quanto privadas, a depender da demanda.

Há, ainda, um porém nesse processo, já que não necessariamente sigam todas as usinas um mesmo padrão de configuração. E assim sendo, abre-se espaço para a existência básica de dois tipos de usina, a saber, as que são classificadas móveis e as tidas como fixas.

Usinas móveis x fixas

Digamos então que queremos bem distinguir uma da outra… Como procedemos, nesse caso? Bem, a diferenciação de uma usina de asfalto para outra, ou seja, essa ambiguidade classificatória existe por conta do parâmetro adotado, sendo a mais frequente referente à forma como é feita a dosimetria dos agregados de minérios.

Outro parâmetro que podemos tomar é o do processo de secagem, em que se divide as usinas entre as que são de fluxo paralelo e as que são de contrafluxo. Fora os dois já citados, temos também a opção de uma perspectiva centrada no processo de mistura.

Por fim, um último parâmetro passível de ser adotado para uma melhor classificação do tipo de usina de produção de asfalto que se tem em determinado local, é então o de se verificar qual o sistema de filtragem que foi adotado. Nesse sentido, podemos encontrar dois tipos de usina, por serem os dois tipos de filtros, no caso aqueles que são filtros do tipo que possui as chamadas “mangas lisas” ou então aqueles que, por sua vez, têm as “mangas plissadas”, como são conhecidas.

 




Deixe um Comentário